Ingressos

Uma homenagem à família tradicional brasileira, à ordem e progresso, à indústria farmaceutica, à bancada ruralista e evangélica,¨Amazônia é nossa¨, ao sistema de ensino, ao estado laico e a incrível liberdade que vivemos hoje. Viva a bala de borracha.
Imagine que Marques de Sade está internado em um hospício. Este, resolve então escrever uma peça para ser encenada pelos loucos que vivem ali. A peça que escreve conta a história de Jean Paul Marat, um importante jornalista agitador da Revolução Francesa, que por seus escritos fez muitas cabeças “rolarem”. Depois da revolução, o povo- que continuou pobre- perseguiu Marat, que viveu o resto da sua vida se escondendo, com dores e alucinações até que foi assassinado.
É com este pano de fundo, muita música e ironia que esta história é interpretada pelos “malucos” do hospício, incluindo Marques de Sade. Qualquer semelhança com os tempos em que vivemos não é mera coincidência.
Com texto de Peter Weiss livremente adaptado por ErtaAle e Zime Bagana.

FICHA TÉCNICA
Direção- ErtaAle e Zime Bagana
Sonoplastia- Zime Bagana
Iluminação- Aline Maria
Elenco – Emili Cruz, El Misti, Fernando Loch, Cecília Minuzzi, Jenifer Ambrozini, Junior Filla, Leonardo O., Luis H. Martins, Paula Rodrigues, Paulo Perazzoli, Rosemeri de Mattos, Sérgio Cardoso, Thabata Almeida, Tiago Sureck e Yan Snege.

Projetos Relacionados

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar