Ingressos

Visceral e verdadeira, essas palavras definem com precisão a cantora  Aninha Martins. Com quase uma década de formação e carreira musical, aluna de canto popular e música brasileira no Conservatório Pernambucano de Música, com seu  timbre de voz diferenciado e postura  cênica, conquistou espaço em diversas bandas do Recife, tais como a Sabiá Sensível (projeto que reúne muitos nomes atuantes da nova cena cultural da cidade), D’Mingus, a Fantástica Kazoo Orquestra, Malvados Azuis e Grupo Varal.

Importante frisar também, que o elemento cênico nas apresentações da artista vem do seu trabalho como atriz, onde estreou no teatro no musical “Caxuxa”, de João Falcão, pelo grupo Duas Companhias e faz parte do Núcleo Criativo Casa Torta. Tem vivenciado e investido solidamente em processos de formação voltados a questão do corpo, da performance e da voz em cena (com referências claras a, por exemplo, Carlos Simeone, do Lume). Sua inspiração criativa para a música nasce profundamente associada ao fenômeno do espetáculo, “eu quero ir pro palco, eu quero formar espetáculos, na verdade”…, aos shows em si, para só aí se consolidarem como registro fonográfico.

Em 2012, surpreendeu o público no Festival Recife Lo-fi, em primeira atuação solo, pelo carisma, talento e força cênica interpretadas. Somando essa experiência à vontade de traçar um caminho com sua identidade, nasce o show “Esquartejada”, um amadurecimento de seu trabalho musical e cênico. O show teve estréia na Noite do Desbunde Elétrico, 2013, rendendo críticas positivas sobre sua potência, desenvoltura e relação com o público. O título da apresentação faz referência à canção “Sábio Satanás”, parceria com Vinícius Paes, baixista da banda. No repertório, constam músicas próprias, parcerias e canções de amigos compositores, como German Ra, Anaíra Mahin, Hugo Coutinho e Karla Linck. Só agora em  2017, que o “Esquartejada” se tornará seu disco de estreia, com o lançamento programado para outubro deste ano, onde sairá em turnê nacional acompanhada por sua  banda: Rodrigo Padrão (guitarra), Victor Giovanni (baixo), Aline Borba (flauta), Hugo Coutinho (teclado) e Iezu Kaeru (bateria).

Projetos Relacionados

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar